terça-feira, 14 de março de 2017

Deus não se sujeita a ninguém 2

...No próprio livro de Malaquias, onde a compreensão equivocada, nos mostra um 'deus', submisso à vontade humana, Deus, na verdade, antes, reclama a obediência de sacerdotes e do povo, que profanavam o altar santo e o santo nome do Senhor, estando eles à beira da apostasia. A estes mesmos é que Deus fala no capítulo '3' e verso '10', convocando-os à prática do dízimo e lhes prometendo bençãos; fazendo-os entender, ao longo de quase toda a revelação entregue por Malaquias, que a mensagem entregue pelo profeta, resumia-se nisto: Ainda que houvessem pecado, haverá recompensa para os que se arrependerem e voltarem-se para os caminhos do Senhor. E uma dessas recompensas são as bençãos desmedidas, comuns, a todos os que dizimam com inteireza de coração, sendo em 'tudo', fiéis à Deus, e não apenas no dízimo. 
Perceba, que escapa, se não aos olhos, à razão, daqueles que sempre procuram perverter os juízos de Deus, em busca de suas conveniências, que antes da convocação (Ml.3:10), há o chamado ao arrependimento: "Desde os dias de vossos pais vos desviastes dos meus estatutos, e não os guardastes; tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós, diz o Senhor dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar?" (Ml.3:7). 
Podemos ter confiança neste entendimento, uma vez que admitir-mos que o homem em pecado está separado de Deus. Uma simples animosidade com um irmão, impede que sua oferta seja aceita no altar do Senhor, e assim nos desabilita às bençãos prometidas. para reforçar a sua compreensão a esta exposição, lembremos-nos de duas passagens onde fica claro, que o caráter de Deus é imutável, e que a sinceridade, a espontaneidade e a santidade são fatores condicionais ao favor de Deus. "E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta. Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante. E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar"... Perceba que houve imperfeição na oferta de Caim, algo que desagradara o coração de Deus, neste caso pode-se com certeza admitir que: ou não havia sinceridade no coração de Caim, ou não o fazia com espontaneidade, assim como aquele povo no contexto abordado agia; pois entregava ofertas imperfeitas ao Senhor. (Ofereceis sobre o meu altar pão imundo, e dizeis: Em que te havemos profanado? Nisto que dizeis: A mesa do Senhor é desprezível. Porque, quando ofereceis animal cego para o sacrifício, isso não é mau? E quando ofereceis o coxo ou enfermo, isso não é mau? Ora apresenta-o ao teu governador; porventura terá ele agrado em ti? ou aceitará ele a tua pessoa? diz o Senhor dos Exércitos. Malaquias 1: 7-8).
O segundo exemplo encontra-se no livro do evangelista Mateus em seu quinto capítulo versos 23 e 24: (Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, Deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta).
Fique por tanto irmãos, claro em vossos corações que Deus não nos refere o texto de Malaquias unicamente no capítulo três e verso dez, mas, chega até nós, uma lição de santidade, zelo e compromisso com a obra e com o santo nome do Senhor. Portanto, qualquer que se voltar para Deus, guardar os seu preceitos, fizer a sua vontade e andar em santidade em sua presença, terá seus dízimos e suas ofertas aceitas no santo altar de Deus, e isso bastará para que as janelas dos céus, sejam-nos abertas e haja então prosperidade em nossas vidas. Caso contrário, não ofereça seu carro e nem sua casa ou apartamento à igreja, Deus não se sujeita a ninguém, nós devemos nos sujeitar a Deus. Esta é a verdade.