sábado, 11 de março de 2017

Deus não se sujeita a ninguém

,,,O ato de dizimar não obriga Deus a abençoar o que o pratica, mesmo porque Deus não se deixa escarnecer e nunca poderia estar sob jugo humano; tal afirmação é blasfema e não se pode dar a mesma nenhum tipo de crédito. A literalidade de um texto pode ser manipulada pelo homem, de forma a vir a convencer pessoas de fé sincera das mais diferentes camadas sociais e até de diferentes níveis culturais, a uma prática e entendimento pervertidos do ato de dizimar. A interpretação correta que se dá ao texto mais usado por esta prática, não nos sugere isto. Embora, uma vez manipulado, pode parecer que seja uma declaração de de submissão de Deus, condicionada a uma iniciativa humana; veja:"Trazei todos os dízimos e ofertas à Casa do Tesouro, e depois fazei prova de mim; se não vos abrir portas e janelas e derramar sobre voz, bençãos desmedidas...   ...por vossa causa repreenderei o devorador,,," Malaquias 3:10,11. parece que Deus, dispõe-se a sujeitar-se ao homem. obrigando-se pelo ato humano, a providenciar bençãos a qualquer que o pratique: "Não é bem assim!".

Na verdade os versículos 10 e 11, do capítulo 3 do livro do profeta Malaquias (Versículos mais usados em todos os púlpitos, de igrejas, católicas e protestantes, que praticam o dízimo), é um estímulo deste misericordioso Deus, a um povo que estava à beira da apostasia, fracos e caídos na fé; para que conseguissem enxergar, que o estado em que se encontravam, era consequência da ausência de Deus em suas vidas e não um estímulo a testar-se a fidelidade à Deus. (O livro de Malaquias não é tão grande assim, sugiro a leitura dos três primeiros capítulos, ela lhes dará a compreensão desta exposição).

Pelo legítimo ato de dizimar, Deus saberia se o temor pelo seu nome, a obediência, a confiança e a fé, teriam realmente sido restauradas àquele povo, Se o povo realmente 'tornara' novamente para o Senhor ("...tornai-vos para mim" Malaquias 3:7); só desta forma, seus dízimos e suas ofertas, seriam novamente 'santos ao Senhor', tornando-os novamente habilitados às declaradas 'bençãos desmedidas'. Obser-se com atenção os versículos de '2 a 4', que o Senhor anuncia àquele povo um juízo próximo (referância a primeira vinda de Jesus), e dava, por amor a Jacó e  por sua fidelidade em relação às suas promessas, uma nova chance a seu povo; antes da vinda do Messias."Tornai-vos para mim". ...continua