domingo, 25 de outubro de 2020

Home

A paz de Jesus Cristo!

Leia nossa

Política de privacidade


Sobre o Blog


"Dízimo"

"Sob a revelação do Espírito de Deus"



Lançado a a três anos atrás, teve todos os seus exemplares vendidos. Agora ofereço a vocês queridos leitores, irmão ou irmã em Cristo, o conteúdo na íntegra deste livro em forma de blog, para que mais pessoas possam chegar a conclusões satisfatórias à cerca deste tão importante assunto; e entender porquê muitos cristãos hoje, estão equivocadamente, abandonando esta fundamental prática de fé.






terça-feira, 2 de maio de 2017

Cada um contribua "segundo propôs" em seu coração - 2

...O título deste capítulo, propositalmente posto, exemplifica eficientemente as falta de conhecimento (Em alguns casos) e o 'tendenciosismo' (Em outros). A epístola aos hebreus, tem sido usada por pessoas que desconhecem a mensagem Sagrada e/ou não encaram com seriedade o que representa "Deus". Esta epístola, vem sendo base para pessoas que são contra 'dar dízimo, na igreja contemporânea' (Nos dias de hoje), usando para isso, mas especificamente, os versos 11 e 12, do capítulo sete, desta: "De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei."

     Façamos uma pequena análise deste texto que acabamos de ler:

- Perceba que o escritor refere-se literalmente a fragilidade do sacerdócio levítico (Lei de Moisés), adjetivando-o como imperfeito. (...Se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico...);

- "que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque ...?" Veja: A imperfeição da 'Lei" Abre lacuna para a vinda de Cristo (Ordem de Melquisedeque e não de Abraão);


- "Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei." Neste ponto, evidencia-se a interpretação mais equivoca à cerca do 'dízimo' pois quer-se fazer crer que a mudança da lei, traz atrelada a ela a extinção do mesmo, o que podemos entender como equívoco, pois as mudanças feitas por Jesus na Lei e na sua forma de cumpri-la, encontram-se em Mateus 5: 27 - 48 _"Ouviste o que foi dito aos antigos... (Cristo aqui faz referência a Lei de Moisés, da qual, como vimos; o dízimo não consta como elemento constitutivo). Aconselho ler o texto em questão para melhor compreensão, pois em nenhum momento Jesus fez menção ao dízimo, não impondo ao mesmo,  nenhum tipo de mudança, ou inutilidade).

... Nos versos de 1 a 5, deste mesmo capítulo ('7' de Hebreus), vimos Melquisedeque (Figura de Cristo) Abraão e dízimo, serem usados, em texto comparativo, para evidenciar-se tão somente a autoridade de Melquisedeque em relação a Abraão (de quem recebeu ele o dízimo). Em seguida a comparação entre o povo de Deus (descentes de Abraão) e os levitas, seus irmãos, que impõem-se, segundo a vontade de Deus para como sacerdotes, tomarem deles o dízimo.

Ora percebam que as figuras usadas, como disse, demonstram a superioridade do sacerdócio de Cristo, sobre Abraão e seus descendentes. Assim podemos concluir com segurança que este capítulo, da carta aos hebreus, não revela de nenhuma forma a extinção de dízimo, mas a fragilidade de uma lei que não aperfeiçoou ninguém. (Lei por favor os post's: "A Origem" e "Simbologia")... Continuarei.

sábado, 29 de abril de 2017

Cada um contribua "segundo propôs" em seu coração

O homem não se cansa de querer impor às Escrituras Sagradas, o seu próprio entendimento, estribando-se em sua própria intelectualidade. A muita cultura que se julga ter, acaba influenciando muitos, a darem ao texto sagrado interpretações tendenciosas; ora por conveniência, ora por convicção, não importa, o fato é que a Palavra de Deus vem sendo miscigenada por diversos vetores chamados "Correntes teológicas", que nada mais são, que vaidosas ou tendenciosas interpretações humanas aos textos bíblicos, frutos de uma transitoriedade existencial, marcada pela vaidade e/ou ambição humana. Nem o escritor da polêmica carta canônica ao hebreus, nem o Apóstolo Paulo, afirmaram em algum momento que o dízimo, tenha sucumbido à caducidade de "Lei". Não podemos forçar o Espírito da Revelação, a impor à Mensagem, e esta única, valores diferentes dos que por Deus a Ela foram atribuídos.

O ministério do Apóstolo Paulo, é inexpressivo, em relação a sua durabilidade, quando comparado ao "Plano de Salvação" elaborado, revelado e executado por Deus. Durante todo o legado testamentário (Incluso tal ministério, como também a "carta aos hebreus"). Por isso torna-se irrelevante o fato de Paulo não haver tratado do assunto, assim como irrelevante são, as interpretações dadas a referida "carta aos hebreus", desprovidas que são, do Espírito da mensagem e por isso, facilmente refutáveis. Pois vê-se claramente, que nem um, nem outro, manifestou-se literalmente em relação a extinção do dízimo. pairando apenas conjecturas pretensiosas e irresponsáveis, que desvirtuam a fé e confundem os simples...  Continuarei