quarta-feira, 8 de março de 2017

A derrota do devorador

O texto em Malaquias 3:10, sugere-nos ainda, a manutenção das bençãos (Repreenderei o devorador). Fica claro em todo capítulo que na desobediência à vontade de Deus, assim como na ausência do ato de dizimar, o ser humano está vulnerável à investidas de satanás contra seu patrimônio. Isto explica a impossibilidade de se administrar o próprio sustento onde o salário nunca é suficiente, havendo uma grande dificuldade de se garantir o sustento próprio e da família com dignidade. Observe as consequências da ausência do favor de Deus em nossas vidas em: "Semeais muito e recolheis pouco, comeis porém não vos fartais, bebeis, porém não vos saciais; vesti-vos, porém ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o num saquitel furado (Ag.1:6)". Embora o texto não se refira no contexto, a inadimplência com os dízimos, retrata entretanto a repreensão divina, por outras faltas humanas. (Neste caso irresponsabilidade e descompromisso com a obra física na reedificação do templo); o que fez com que Deus desse ao inimigo a 'legalidade' para 'devorar' tudo o que tinham, fazendo com que seus esforços fossem improdutivos e ficassem estagnados numa escassez severa. 
Deus nos garante que, se pela fé, praticarmos por amor e não por 'usura', o ato de dizimar, e também nos envolvermos com a sua obra, dando a ela a importância que na verdade têm, guardando também seus estatutos, ordenanças, conceitos e preceitos, andando na sua presença e fazendo o que é bom aos seus olhos, então moveremos no sobrenatural de Deus, não só abrindo ao céus para Dele recebermos novas bençãos, e também impedindo que satanás obtenha tal 'legalidade' de tocar no que de Deus já possuímos, mas nos tornando aptos a prosperar e ter abundância de vida, saúde, prosperidade, moral e paz. Assim, se aceitarmos o desafio proposto por Deus através de Malaquias, nos voltando pra Ele (Voltai-vos para mim 'Malaquias 3:7', o que quer dizer abandonar o pecado e 'voltar' a praticar as 'boas obras'; então podemos confiar na promessa do verso '10' deste mesmo capítulo, 'Trazei todos os dízimos... ...e depois fazei prova de mim...   ...se não vos abrir as portas e janelas do céu...   ...por vossa causa 'repreenderei o devorador'... Pois que não existe bençãos a nos ser preparadas, porquê no ato da criação encerraram-se todas as provisões de que necessitaríamos, nos cabendo fidelidade e comunhão para termos acesso a elas, que nos serão derramadas e não preparadas, e as bençãos espirituais, pré-existem à criação.

"Então dirá o rei aos que estiverem á sua direita: "Vinde a mim benditos de meu Pai, possui por herança o reino que vos está preparado desde a criação do mundo" Mateus 25:34.

"Bençãos não estão à venda e não podem ser compradas, 
precisam ser conquistadas. 
Não por imposição, mas por obediência e atitudes de fé"