terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Tirando a máscara neopentecostal 3

...A sentença proferida por Malaquias 3 e verso '10', é na verdade um desafio, um chamado ao arrependimento e a restauração da fé e do verdadeiro culto. Restaurados a fé e o culto, pelo arrependimento e pela recondução ao caminho da verdade, o povo voltaria a praticar de forma santa e agradável ao Senhor o ato de dizimar. Feita a exortação como vimos nos dois primeiros capítulos do livro deste profeta e nos primeiros versículos deste capítulo '3', o povo de Deus então devolveria seus dízimos por reconhecimento, gratidão, fé e amor à obra de Deus, assim as bençãos advindas da promessa seriam, (como são) inevitáveis. Temos então que a mensagem contida no texto circunstante obedece a seguinte ordem: 1º "Arrependam-se; 2º Dizime e por fim; 3º "Façam prova de Mim". O problema é que só se vê e ouve nos púlpitos, as duas últimas partes (Dizimem e façam prova de mim).

Quer-se por na cabeça das pessoas, que o dízimo resolverá todos os problemas, e por si só, reaproximará o homem de Deus, habilitando-o a salvação e dando-lhe fartura na Terra. Quero aqui lembras então que: "A salvação se dá pela graça mediante a fé e isso não vem de vós, e dom de Deus, para que ninguém se glorie (Ef. 2:8,9)". Nada que o homem fizer poderá justificá-lo "Porquê todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm. 3:23)". e ainda: "O salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor (Rm. 6:23).


Graça, significa 'favor desmerecido;"Pelo que Cristo morreu por nós, quando ainda éramos pecadores (Rm. 5:6)", logo, Deus nos dá a 'graça' mediante a 'fé' ambas provenientes de sua misericórdia e de seu amor por nós, o dom gratuito de Deus, que é a vida eterna mediante esta graça, por amor, que é o sacrifício de Jesus e não o nosso ato de dizimar.

Diante destas verdades, podemos concluir então que o dízimo isoladamente, não se constitui em condição à salvação, nem às bençãos, sejam elas de que natureza forem; tampouco tem ele (O dízimo) o poder de perdoar pecados e promover a reconciliação do homem com seu Deus. Deve sim ser o sinal do pleno conhecimento destas verdades, que traduzem a sabedoria, o poder, o amor incondicional e caráter perdoador e restaurador de Deus, nunca algo que nos faça crer que podemos obrigar Deus, com os nosso dízimos a nos favorecer seja de que modo for (Deus deixaria de ser Deus)... Continua...