sábado, 12 de novembro de 2016

Deus não precisa de dinheiro

Fla-se muito em dinheiro, quando tratamos do assunto 'dízimo'. Originalmente, apesar de ter relação direta com a benção material, o dízimo nada tem a ver com dinheiro, como se entende hoje na quase totalidade das igrejas protestantes, principalmente. Como visto anteriormente, o termo 'de tudo quanto', está presente em toda a manifestação do ato de dizimar nos primórdio idos testamentários, e englobam como proposto; todas as posses materiais recebidas de Deus,segundo a proporção da fé de cada um. um bom exemplo disto, está na terceira vez que 'dízimo' é citado nas Escrituras, desta vez no livro de Levítico capítulo 27 e versos trinta e trinta e dois "Também todas as dízimas da terra, tanto dos cereais como do campo, quanto dos frutos das árvores, são do Senhor. No tocante as dízimas do gado e do rebanho, de tudo que passar debaixo do bordão do pastor, o dízimo será santo ao Senhor).
´
É bem verdade que hoje às nossas posses, são atribuídos valores representados no mundo todo, pela moeda corrente em cada nação (O dinheiro), que estabelece o que vale cada 'bem' ou quantia, que por benção possuímos por parte de Deus. O salário que recebemos por nosso trabalho, é pago em dinheiro 'moeda corrente' e os bens que adquirimos, são 'pagos' com o dinheiro de nossos salários, e tudo então é provisão de Deus. Assim tanto da quantia numerária em espécie (O dinheiro), como dos bens adquiridos com esse mesmo dinheiro, devemos separar o dízimo do Senhor.

Note bem que o dinheiro apenas representa o valor daquilo que se recebe pelo nosso salário, bem como do que com ele conquistamos; mas tudo é provisão de Deus. Esta é a visão que devemos ter. 

...Continua